Thrasher perde Phelps! Jake Phelps está morto! Mas sua alma não!

A Bíblia do skate moderno nos deixa, mas sua alma esta dentro de todo skatista que se preze!

Eu, Badeco Dardenne, só tive um pequeno contato com Jake Phelps, foi numa escala de voo indo de New York para Califórnia, quando vi uma pessoinha, com passos rápidos, entre as pessoas no corredor do aeroporto e logo me chamou a atenção. A primeira coisa que vi foram aqueles óculos de aro grosso e preto! Meio loiro, descabelado e barba por fazer, com uma camisa de abotoar branca, meio social, de manga curta e ela também curta, assim como a calça, uma Dickies, curta e com um Vans ou New Balance, não lembro. E quem era esta figura? Só podia ser ele! Meu mentor, o cara que me inspira a fazer o site do Grito da Rua do jeito que ele é. Acho que vocês já notaram, não? Eu queria ser a Thrasher Brasileira. Adoro! Enquanto todos estão cool, limpinhos, branquinhos a Thrasher é Trash, mas não é lixo! Ela é toda maluca e cheio de coisas loucas, um monte de quadros mais malucos ainda. O que é o KING OF THE ROAD? É só irreverências da atitude skate for fun! HALL OF MEAT é muito forte! É a garra do skatista! O FIRING LINE, mais autêntico impossível! E ai vai! Skater of the Year? Quem não quer ser?

A Thrasher é a minha Bíblia, sendo assim, Phelps é o Jesus do skate! Ele é eterno!

Depois de muito andar e se quebrar você vai ficar prático assim!

Dei uma pesquisada na vida dele e achei esta matéria no California Sunday que fala tudo! E como não sou um escritor e nem jornalista, transcrevo os melhores momentos desta narrativa do Willy Stanley, ao meu modo, abaixo.

Por WILLY STALEY

Jake Phelps

Ele é o editor do Thrasher desde 1993. Punk rocker que se recusa a pagar a passagem de bus, passando pelas portas traseiras. Ele usa cigarros em todos os lugares que ele vai; ele chama sangue de crianças. Ele late para estranhos e grita para os motoristas.

Phelps – “Você não torce por skatista; Você tem gosto por skatistas. E o trabalho de um profissional é sair e obter filmagens de seus patrocinadores, que divulgam vídeos, que são tanto produtos de marketing quanto os meios pelos quais o skate progride. É menos um esporte do que um ecossistema de mídia ad hoc(para esta finalidade)administrado por, bem, um monte de skatistas.”

Phelps gosta de dizer que foi onde ele aprendeu a ser um idiota. Ele passou os primeiros 11 anos de sua vida na Califórnia, antes de seus pais se separarem e ele foi morar com sua mãe em Marblehead. Sua mãe era uma nativa de San Francisco e um pouco hippie. Phelps pegou um skate pela primeira vez: 13 de abril de 1976, às 4 da tarde. Ele tinha 13 anos e logo percebeu que lhe dava a mais preciosa mercadoria… Tudo! Em 1977 começou a trabalhar na Zero Gravity. “Eu saía com meus óculos escuros e meus cigarros enrolados nas mangas, e eu ficava tic-tac por aí, e eu viajava”.

Quando o skate caiu isso mudou o skate para uma contracultura, intimamente associada ao punk e ao hardcore. Thrasher foi lançado perto do final desta breve idade das trevas, em 1981, por Fausto Vitello e Eric Swenson, dois empresários em São Francisco. Os dois começaram a fabricar uma marca de Trucks de skate chamada Independent, e queriam um local para anunciar seu produto e que criasse uma cena em torno dele. O primeiro editor da revista foi Kevin Thatcher.

Phelps voltou para São Francisco no início dos anos 80 e começou a trabalhar em uma loja de skate em Haight, onde conheceu Thatcher, que telefonou para Phelps para escrever uma coluna de revisão de produtos. A estréia de Phelps ocorreu em 1986, e a dificuldade de escrever tal coluna naquela época, está até hoje. Ocasionalmente, ele usava o espaço para advertir os fabricantes por não fornecerem informações suficientes (como preço e dimensões) ou enviar amostras inúteis (“como podemos revisar uma roda?”). Ele implorava para seus leitores o feedback, e quando ele recebia, ele não parecia gostar. Thatcher logo ofereceu a Phelps um emprego na sede da revista Hunters Point. Naquela época, San Francisco estava se tornando o epicentro do skate de rua.

Phelps nunca se importou muito com essa forma de andar de skate na rua, altamente técnica. Na nona edição ele fez como Thrasher editor, ele colocou uma lápide na capa, declarando que o skate estava morto. Ele escreveu a carta de um editor: “As futuras gerações nunca vão começar porque tudo o que vêem é alguém no local tentando variar heelflip noseslide nollieflip fakie”, “cem vezes, ficar chateado e ir embora para casa puto da vida. Como alguém poderia compreender isso, muito menos querer fazer isso?

Ele começou a publicar fotos enviadas por leitores e, daquele banco de dados, a revista selecionaria um falso, acusando-o de “Poser of the Month”. Ele publicou fotos de cicatrizes e feridas abertas sob uma rubrica “Hall of Meat”. Na edição anual do “Skater of the Year”, ele introduziu uma disseminação de superlativos no estilo de anuário, alguns deles piadas inofensivas, outros, pura provocação. Em 1995, ele deu o prêmio “Mais Irritante” a um skatista chamado Billy Pepper. No ano seguinte, Thrasher publicou a página “15 skatistas mais odiados”, classificando a Pepper em quarto lugar. Pepper foi avisado sobre a página antes de ser publicada, e fez uma visita a Thrasher. Phelps o recebeu;“Como posso ajudá-lo, Bill?” Com isso, Pepper se juntou às fileiras de profissionais proibidos de aparecer nas páginas de Thrasher . (Há pelo menos quatro outros.)

Phelps afirma ter poder de veto no SOTY, e com poucas cutucadas ele discutirá alegremente suas razões arbitrárias, e possivelmente fictícias, para negar a certos skatistas o prêmio. Dennis Busenitz? (“Ele anda de skate em alemão, cara.”) Jamie Thomas? (“Ele usava uma viseira para EMB. ”) Guy Mariano? (“Ele clown a mag”.) Torey Pudwill? (“Você poderia escrever ‘Torey Pudwill’ em um maldito troféu?”) Chad Muska? (“O cara era um idiota!”) Quando perguntei a Phelps quem estava na sua lista de CANDIDATOS para o SOTY 2015 , ele nomeou apenas dois caras. Seis semanas depois, soube que um deles havia vencido o Rusty.

PHELPS ADMITE que não está mais envolvido com a produção cotidiana da revista. Neste ponto de sua carreira, ele é mais uma figura de proa – um caso ambulante para as alegações de autenticidade da revista. (O atual proprietário, o filho de Fausto, Tony Vitello, o chama de “embaixador do stoke”.) A indústria do skate foi interrompida pela tecnologia como qualquer outra empresa de mídia. Thrasher foi forçado a se adaptar e tornar-se uma organização multimídia viável – sediou eventos em pistas de skate em breve a serem demolidas (durante as quais Phelps trabalha o megafone), co-produzindo um web show com o Vice e estreou vídeos no site.

Ele foi esfaqueado no peito por uma cabeça de metanfetamina em Haight e quase morto em um tiroteio em Antioquia; ele quase perdeu um braço para uma picada de aranha que ele conseguiu enquanto dormia sob uma rampa de vertigem em Oakland; ele teve duas brigas de morte na Austrália – uma quando capotou um carro enquanto corria pelo Outback vestido de padre (então ele poderia dizer à alfândega que ele estava lá para distribuir skates para aborígines) Ele quebrou as duas pernas, os dois polegares, as duas clavículas e a pélvis. Ele fraturou o crânio. Ele teve sete cirurgias nos joelhos. Phelps havia recentemente se metido em problemas com os donos de Thrasher , o que o colocou de bom humor para refletir sobre a questão em aberto de sua longevidade. “Meus médicos” – ele tem quatro – “todos me disseram: ‘Seu trabalho está matando você, Jake.’ Eu sou como ‘eu sei’. ”Mas o skate raramente é o que mata skatistas; os apetrechos os fazem.

“ Eu fui mordido por um cavalo, mordido por um camelo, caído de um camelo, caído de um cavalo, atropelado por um elevador, atropelado por um cavalo, atropelado por um ônibus, atropelado por um carro, atingido por uma van. “

Tony Vitello vê o apelo de Phelps – sua personificação da marca – como a fonte de seus infortúnios. “Você olha para ele, e é como: Skate and Destrói, tanto o bom quanto o ruim”, ele me disse, referindo-se ao lema de Thrasher . “A única coisa que ele realmente gosta é de skate, e ele é Skate e destrói seu corpo no esquecimento.”

Essa visão punk da cultura do skate esconde um fato desconfortável sobre o skate: ele resistiu com tanto sucesso a se tornar um esporte que agora é apenas um negócio – um negócio que detesta empresários e empresários. Phelps é inestimável nesse ecossistema porque ele insiste que o skate é hediondo, irredimível e, acima de tudo, fora da lógica do resto do mundo ordenado e higienizado. Como ele colocou para mim, olhando para a baía: “Eu não gosto quando as pessoas se vestem de skate ou fazem brincadeiras e jogos. É sagrado para mim.

Foi talvez a coisa mais séria que eu o ouvi dizer e me ressoou. A sociedade reverencia atletas por vencer. Os skatistas são perdedores – eles não podem vencer – então eles buscam a perfeição da forma, a expansão da possibilidade. Quando fetichizam a dor, é apenas porque ela está tão próxima da excelência.

Veja matéria completa California Sunday

WILLY STALEY é editor da revista The New York Times .

Twitter: @willystaley

Veja matérias da Thrasher Aqui no Grito da Rua

This website uses cookies.

Read More